São realizados estudos doutrinários, linguísticos (Língua brasileira de sinais), sobre identidade e cultura surda; categorizam palavras relacionadas à Doutrina Espírita que ainda não têm sinais (Libras) equivalentes; realizam estudos e práticas de tradução/ interpretação como instrumento de pesquisa para aferir a viabilidade dos sinais criados, por meio do uso pragmático da língua de sinais; propiciam às pessoas surdas acessibilidade comunicativa necessária para a aquisição do conhecimento da doutrina espírita; Divulgam a importância da Libras às pessoas surdas e a necessidade das Casas Espiritas promoverem acesso à informação e ao conhecimento do Evangelho de Jesus.